HThe
Hm

Notícias na Florêncio de Abreu

Listando: 1 à 5 de 1228
Chrome 90 terá recurso para ajudar a criar sites mais rápidos

Recurso indica quantos segundos o Chrome leva para carregar a página e quais melhorias podem ser feitas por desenvolvedores

O Chrome 90 vai liberar um recurso que analisa se sites estão carregando rapidamente. O Google já conta com uma extensão que faz essa análise e, agora, a transformará em um item nativo. A funcionalidade, batizada de Performance HUD, será oferecida nas versões para desktop e dispositivos móveis do navegador.

O novo recurso vai exibir as informações que hoje aparecem na extensão Core Web Vitals, lançada pelo Google em 2020. A ferramenta mostra, ao abrir um site, quantos segundos o navegador levou para concluir o carregamento. Ela também apresenta quais pontos podem ser aprimorados na página.

Com a mudança no Chrome 90, os desenvolvedores poderão dispensar a extensão e usar apenas o Performance HUD. Além das métricas da Core Web Vitals, ele exibe estatísticas sobre suavidade, isto é, se as animações e outros efeitos apresentados na página carregam com fluidez. O tempo necessário para carregar o site é um dos critérios considerados pelo Google para decidir quais aparecerão nas primeiras posições da busca.



Isis Valverde
Foto: AgNews / Tecnoblog

Chrome Canary já tem Performance HUD
O novo recurso já pode ser testado no Chrome Canary, versão de testes do navegador do Google. Para isso, basta acessar chrome://flags e pesquisar por "Show performance metrics in HUD". Depois, selecione a opção "Enabled" e reinicie o navegador. O processo também será necessário quando o Chrome 90 for liberado.

Como está em uma versão de testes, o Performance HUD ainda precisa de alguns ajustes. Um deles é uma opção de fechar a janela, que ainda não existe no Canary. Segundo Addy Osmani, engenheiro do Google que participou da implementação do recurso, a ferramenta deverá ser levada para a área de Ferramentas do Desenvolvedor do Chrome, onde deverá receber melhorias.

(Fonte: Victor Hugo Silva - Android Police) - 25/01/2021
Google ameaça desativar busca na Austrália se lei for aprovada

Google afirmou que proposta discutida na Austrália para cobrar as plataformas pela exibição de notícias é "impraticável"

O Google voltou a se posicionar contra a proposta de um código de conduta na Austrália que obrigaria as plataformas a pagarem para exibir notícias de terceiros. Em audiência nesta sexta-feira (22), a empresa ameaçou desativar seu buscador no país caso o texto, discutido nos últimos meses, seja aprovado.


Ana Hickmann
Foto: Reprodução/Instagram/@ahickmann / Tecnoblog

Na audiência, a diretora-geral do Google para Austrália, Mel Silva, considerou "impraticável" a proposta de cobrar pelo conteúdo que aparece nos resultados da busca. "Se essa versão do código se tornar lei, não teremos escolha real a não ser parar de disponibilizar a Pesquisa Google na Austrália", afirmou a executiva.

A proposta australiana tem o objetivo de compensar veículos de notícias pelo faturamento que seu conteúdo gera para serviços como o buscador do Google. A empresa, que detém 94% das buscas online no país, defende o modelo do Google News Showcase, em que veículos parceiros são pagos para destacar seus conteúdos. A iniciativa, no entanto, ainda não está disponível na Austrália.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, comentou a declaração do Google. "Não respondemos a ameaças", afirmou. "A Austrália estabelece nossas regras para coisas que você pode fazer na Austrália. Isso é feito em nosso parlamento. É feito pelo nosso governo. E é assim que as coisas funcionam aqui na Austrália".

O Facebook, outro que será afetado caso a proposta seja aprovada, afirmou na audiência que poderá fazer mudanças em sua plataforma. Segundo a empresa, os usuários no país poderão ter o compartilhamento de notícias bloqueado.

Google deixou de exibir notícias em outros países
Apesar de alegar que não tem alternativa a não ser desativar a busca, o Google encontrou saídas para leis semelhantes em outros países. Na França, a empresa aceitou pagar pela exibição de notícias depois que o país implementou normas de um projeto de reforma de leis aprovado pela União Europeia.

A ameaça do Google de remover toda a busca na Austrália também é bem diferente do que foi aplicado pela empresa em 2014, quando a Espanha aprovou uma lei que obrigava plataformas a pagarem pelo conteúdo jornalístico. À época, em vez de desativar o serviço, a empresa decidiu desativar o Google Notícias no país.

(Fonte: Victor Hugo Silva - Bloomberg) - 25/01/2021
Como criar um grupo no Facebook

Saiba como criar um grupo no Facebook para reunir uma comunidade específica e separar os assuntos da linha do tempo principal

Quer ser dono do próprio grupo no Facebook? Nesse artigo mostro os passos para formar uma comunidade na rede social, privada ou pública, e as vantagens em relação ao tradicional feed de notícias.

Mais simples que páginas, entenda o processo de criar um grupo no Facebook.


Facebook (Imagem: Joshua Hoehne/Unsplash)
Foto: Tecnoblog

Por que criar um grupo?
Um grupo é diferente de uma página ou perfil na rede social. Enquanto a página ou perfil simbolizam uma única pessoa ou marca, um grupo é destinado ao coletivo de pessoas que compartilham o mesmo interesse. Dessa forma, o conteúdo do grupo é produzido pelos vários membros, não só por uma pessoa.

Há milhares de grupos já criados no Facebook, desde vagas de emprego em determinadas regiões, animais perdidos, clubes de escrita ou de leitura, de profissionais de uma área em comum, de viagens, etc.

Com um grupo, a discussão é mantida sobre um mesmo assunto. Por exemplo, no Tecnoblog, usávamos o Tecnogrupo no Facebook para interagir com os leitores e permitir que eles também criassem postagens sobre tecnologia, compartilhassem experiências, sugerissem reportagens, entre outras coisas — apesar de não usarmos mais a plataforma, temos outro espaço dedicado para a Comunidade do Tecnoblog.

A vantagem é que mais pessoas podem ter voz. Assim como em um grupo de vagas de emprego, quanto mais membros divulgam as oportunidades, mais pessoas podem encontrar o próximo trabalho.

Como criar um grupo no Facebook
Clique no ícone "+", no canto superior da página, ao lado do seu nome;


criar grupo no facebook
Foto: Tecnoblog

Selecione "Grupo";
Dê um nome ao grupo;
Escolha se será público (qualquer pessoa pode entrar) ou privado (qual exige aprovação dos administradores para ingresso);
Defina se estará visível na busca do Facebook e para quem não é membro (Visível) ou se apenas quem faz parte pode encontrá-lo (Oculto);
Adicione os primeiros membros do grupo, se quiser;
Clique em "Criar".

Pronto! Depois da criação, o Facebook redirecionará para a página principal do grupo, com as ferramentas de administração e opções para inserir foto de capa, descrição e o painel para publicações.

Como encontrar meu grupo
Uma vez que o grupo foi criado, é hora de convidar pessoas que compartilham do mesmo interesse para fazer parte dessa comunidade. Dependendo de como ele foi criado, pode ou não ser encontrado pela busca do Facebook, digitando o nome. Portanto, a maneira mais certeira é compartilhando o link do grupo.

No painel da esquerda, clique em "Grupos";


encontrar os grupos do facebook
Foto: Tecnoblog

Ainda na lateral esquerda, em "Grupos que você gerencia", clique no grupo criado;
No campo do endereço do site, copie a URL do grupo, algo como facebook.com/groups/12345… e envie para quem deseja convidar.
Importante: grupos que foram marcados como "Oculto" durante o processo de criação não ficam visíveis para outras pessoas que não fazem parte dele, mesmo com o compartilhamento da URL. Nesse caso é preciso convidar a pessoa manualmente.

Na página inicial do grupo, clique em "Convidar" e digite o nome de alguém para enviar o convite.
Como mudar a visibilidade do grupo
Se for o administrador, clique em "Configurações", nas opções da lateral esquerda;
Na seção "Configurar grupo", clique no lápis ao lado de "Ocultar grupo" e altere conforme a preferência.

Star Wars Jedi: Fallen Order ganha melhorias no PS5 e Xbox Series X|S

Melhorias de Star Wars Jedi: Fallen Order já estão disponíveis nos consoles e trazem qualidade superior em diferentes aparelhos

Star Wars Jedi: Fallen Order foi atualizado e ganhou melhorias gratuitas para o PS5 e Xbox Series X e S nesta semana. Agora o jogo roda com melhor qualidade, de maneira mais suave e com maior resolução nos consoles de nova geração.


Star Wars: Jedi Fallen Order ganha melhorias na nova geração (Imagem: Divulgação/EA)
Foto: Tecnoblog

A EA divulgou uma nota detalhada, explicando o que melhora em cada versão do jogo e o que os jogadores podem esperar para Star Wars Jedi: Fallen Order na nova geração.

Melhorias em Star Wars: Jedi Fallen Order
Em todos os consoles, temos:
Taxa de quadros melhorada no Xbox Series X|S e PlayStation 5
Faixas de resolução dinâmica melhoradas para uma experiência de resolução mais alta no Xbox Series X|S e PlayStation 5
Resolução do pós-processamento melhorada para Xbox Series X e PS5. (Não para o Xbox Series S)
Para Xbox Series S:
A taxa de quadros foi aumentada para 60 FPS (era 45 FPS)
Para Xbox Series X:
A taxa de quadros foi aumentada para 60 FPS (No "Modo de Desempenho")
Resolução dinâmica adicionada na faixa de 1080p a 1440p (No "Modo de Desempenho")
O pós-processamento foi aumentado para 4K (Sem "Modo de Desempenho")
Resolução dinâmica na faixa de 1512p a 2160p (Sem "Modo de Desempenho")
Para PS5:
A taxa de quadros foi aumentada para 60 FPS (era 45 FPS)
Pós-processamento aumentado para 1440p
A resolução dinâmica foi desativada e a renderização do jogo está em 1200p (era de 810 a 1080p)
Quem quiser aproveitar as melhorias só precisa atualizar o game, o que ocorre automaticamente quando ele é executado com a Internet conectada no console.

Com informações: EA.

(Fonte: Felipe Vinha - Tecnoblog) - 12/01/2021
França vai aprovar primeiras empresas de criptomoedas após novas regras

Autoridades toridades financeiras da França vão aprovar a primeira parte de um grupo de empresas de moedas digitais, após a entrada em vigor de novas regras sobre criptomoedas, as primeiras a serem lançadas por uma grande economia global.



08/12/2017 REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photo - RC1B687DB310
Foto: Reuters

Pelas regras que entram em vigor no fim deste mês, as empresas de moedas digitais vão voluntariamente aderir a padrões de exigências de capital e proteção de consumidores e pagar uma taxa, em troca por aprovação das autoridades regulatórias.

"A França é uma precursora. Teremos um aparato legal, tributário e regulatório", disse Anne Marechal, diretora executiva de assuntos legais da agência reguladora dos mercados financeiros.

"Estamos conversando com três ou quatro candidatos a ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês)", disse ela, referindo-se a empresas que levantam fundos com a emissão de "tokens" digitais. A agência também está discutindo com várias outras plataformas de criptomoedas, agentes de custódia e gestores de fundos, acrescentou.

Moedas digitais estão sendo alvo de ajuste de regras ao redor do mundo, mas continuam em grande parte sem regulação. Apesar de países menores como Belarus e Malta terem criado regras específicas, grandes economias estão tentando aplicar ao setor regras financeiras atuais.

"Quando você é um empresário, o pior que pode acontecer é criar um negócio onde não há legislação e ver surgir um aparato legal que coloca em risco todo o seu negócio", disse Frederic Montagnon, co-fundador da LGO, plataforma de criptomoedas baseada em Nova York que escolheu fazer um ICO na França.

(Fonte: Inti Landauro Reuters) - 07/01/2021
Listando: 5 de 1228

Anuncie

Sobre o Portal da Florêncio de Abreu

O Portal da Florêncio de Abreu foi lançado em 01 de janeiro de 2002, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua Florêncio de Abreu no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para a área de ferramentas e ferragens.